+55 71 98880 2781

Cidade brasileira deixa de organizar Parada LGBT


Para o MGM, o momento é de reavaliação do formato dos eventos. Comércio,Hotéis, Bares e Restaurantes lamentam o cancelamento

Será uma perda para Juiz de Fora. É a avaliação comum dos representantes dos Sindicatos do Comércio e dos Hotéis e Bares de Juiz de Fora diante da confirmação de que o Movimento Gay de Minas (MGM) cancelou também a que seria a 20ª edição da Rainbow Fest, além da Parada do Orgulho LGBT, encerrada na 16ª edição em 2015 .

"No ano passado, anunciamos que seria a última parada, mas havia a intenção de realizar a semana da diversidade em julho para fugir da Olimpíada. Só que a instabilidade político-econômica e uma legislação burocrática dificultaram a realização e antecipou a decisão de parar e reavaliar novos formatos para os eventos”, explicou o diretor do MGM Marco Trajano.

O presidente do Sindicato do Comércio (Sindicomércio) Emerson Beloti destacou o peso da perda dos eventos no atual contexto econômico e torce pela retomada.

“Por causa do cenário, não há patrocinadores para eventos, o que impacta na cadeia produtiva. Lamentamos porque é um público com poder aquisitivo e altamente consumidor. Sem os eventos, o comércio sofre porque as pessoas deixam de vir e circular na cidade e, óbvio, fazer compras. Sabemos que retomadas costumam ser difíceis, mas torcemos para que seja reformulado e retorne, com os planejamentos adequados para sua manutenção”, analisou.

A ausência deste público será sentida nos 350 restaurantes e nos cerca de 3 mil leitos nos 35 hotéis categoria turismo, como explicou o coordenador executivo do Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares, Rogério Barros.

“Eram eventos esperados porque movimentava todos os setores. Sabemos que teremos movimento menor neste período diante deste quadro. Sem o evento do Cândido Tostes, que agora é Bienal, já estamos enfrentando redução de 40% na ocupação hoteleira. É mais uma perda neste momento difícil  para a economia da cidade e do país”, lamentou.

Em nota, o Departamento de Incentivo ao Turismo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura concordou com a análise feita pelos sindicatos. "Perdemos com o esvaziamento do nosso calendário de eventos e deixamos de incrementar nossa economia e com ela toda a cadeia do turismo. Todos perdem: a cultura, os hotéis, bares e restaurantes e a cidade, sempre tão acolhedora e receptiva", diz o texto.


Curte aí nossa fanpage!
E tenha acesso a todo o conteúdo do Viajay!